https://www.poetris.com/
Poemas : 

é dom do mar a liberdade

 








Peito com lonjura
no eterno escafandro.
À tona, o mar guarda a proa.
Nas fontes,
a vontade da terra
jorra azul.
Vai
como as aves,
zarpar na madrugada
a inocência.

Entre os abismos, o mar acordar
a ferocidade.
Nas veias do sol,
na vibração do vento,
as águas lavram geografias e quimeras.
A liberdade.
é dom do mar.

No fundo, sombras em metamorfose,
dormem pretéritos.
Entoam bravuras.
Sob o ouro das estrelas
nascem liras e pensamentos
de cidades idas.
Crescem mitos e labirintos,
nas rochas amadurecidas
sem tempo.

Volante das águas,
a lua
talha a face do universo.
Na viagem
abre gargantas extáticas,
moldadas nas altas torres frias.
Sob o sol
arde o gelo,
cortado pelo gume do fogo.

Quase aéreo,
o mundo permanece
preso à espinha da raiz.
Mais próxima da alma
ficam as estações.
São como mulheres
pelo lado de dentro,
levam no regaço
o voo
do êxodo.

O mar
cresce de véspera no fundo.
Cresce em vertigem sobre as dunas.
A água rachada,
não ofende o leme.
Vai
nu o barco,
no horizonte.
É dom do mar
a liberdade.














Zita Viegas















 
Autor
atizviegas68
 
Texto
Data
Leituras
96
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.