https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Senão traduzido

 
E então,
Senão pensou para consigo:

Sigo.

Quem sem a Bela sou?
Quem sou eu sem a Bela,
quem, quem?
Sem…

Que parte do verbo haver
em mim há,
ou há, enfim, em mim
então?

Andava Senão sem Bela,
num vasto
vazio.


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
1046
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 20/05/2019 09:34  Atualizado: 20/05/2019 09:34
 Re: Senão traduzido
.
Se eu soubesse escrever como tu, talvez dissesse
"haver? a ver vamos... com ou sem verve, amamos"