https://www.poetris.com/
Sonetos : 

ROSAS DOS VENTOS

 
Tags:  SONETOS 1996  
 
ROSAS DOS VENTOS

Tantas rotas eu dei aos sentimentos;
Tantas me foram já desventurosas,
Que aos ventos atirei versos e prosas,
Qual se alivia a carga entre tormentos.

Quantas vezes topei com maus momentos!?...
Quantas lidas em noites tempestuosas?!...
Mil amores segui seguindo as rosas,
Com Neptuno a rodar os quatro ventos...

Rosas dos ventos que então navegante
Perdi por rotas vãs que vão avante,
A todo pano pelo azul profundo!

Ventos às rosas murchas e passadas...
Levai-m’as! Novas rotas são traçadas
A ver n'um novo amor um novo mundo.

Belo Horizonte - 13 06 1996




Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
40
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.