https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de Ravatsky

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Ravatsky

QUISERA EU

 
Quisera eu ser o fogo que te aquece
as entranhas cáusticas de desejo;
curar a solidão que te enlouquece
e abafar o suspiro dos teus beijos.

Quisera eu que comigo tu tivesses,
a elevar-me da terra, onde rastejo,
porque a noite sem ti nunca amanhece,
mas abre um raio de sol, quando te vejo.

Quisera eu desvendar, fazer-me sábio,
nessa ciência de beijar teus lábios,
tua pele, teu corpo e tudo enfim...

Quisera eu despertar desnorteado;
os nossos corpos nus, entrelaçados,
sem fronteiras, sem ti, sem nós, sem mim...
 
QUISERA EU

NADA SE COMPARA

 
Tu és a deusa de um mundo diferente,
do mundo triste e cinzento dos mortais,
pois os reflexos, que em ti são permanentes,
são nas estrelas do céu, eventuais.

Excedes o poema de amor mais veemente,
porque tua beleza é mais do que demais.
Seria o Taj Mahal um pálido presente,
abandonado a teus pés, tão divinais.

Ao teu olhar profundo nada se compara.
O brilho mais intenso da jóia mais rara,
cintilará menos que tua face triste.

Como emanam de Deus a graça e a beleza,
esse teu esplendor que humilha a realeza,
é prova única e final que Deus existe.
 
NADA SE COMPARA

AOS GAMETAS VENCIDOS

 
É, a fecundação humana, um acidente,
de conseqüências fatais, porque nascer,
é despertar pra sofrer e ser doente,
com cem por cento de chances de morrer.

Para fugir da barbárie é mais prudente,
a vacuidade cósmica do não ser,
no insondável espaço, eternamente,
longe do corpo e do verbo envelhecer.

Num instintivo impulso de fraqueza,
a harmonia do cosmos e da natureza,
gera um mundo de caos e de conflito.

Pois cada célula traz nos cromossomos,
o desamparo, em que nos transformamos,
quando deixamos de ser infinitos.
 
AOS GAMETAS VENCIDOS

AOS SONHADORES

 
Na aventura da vida, os sonhadores,
sempre fogem do mundo das razões,
rumo a outras nuvens e outras estações,
como a asa dos pássaros migradores.

Sonham, pra lá do azul, com outras cores,
outros espaços, outras dimensões,
como se a onda de novas emoções,
não suscitasse novos dissabores.

Sem saberem, como a vida será,
nos corações, uma ternura infinita,
é o preceito supremo que os guiará...

Levam na bagagem sol, chuva e vento,
pois sabem que a vida é só uma visita
a esse mundo de áridos sentimentos.
 
AOS SONHADORES

AO DEUS DO VELHO TESTAMENTO

 
Quando meus olhos se abriram ao mundo,
e captaram da luz, a refração,
numa fração milésima de segundo,
eu já estava caindo em tentação.

Nascia comigo o desejo profundo,
no olhar, no sexo, na boca, na mão,
de haurir o prazer desse mundo imundo
e ter o pecado por religião.

Sendo avesso às regras e preceitos,
perante o fariseu puro e “perfeito”,
ouso cuspir no livro “salvação”.

Quando um dia cerrarem os olhos meus,
será somente o tenebroso Deus,
o ser pra quem eu negarei perdão...
 
AO DEUS DO VELHO TESTAMENTO

A MAGIA DO OLHAR

 
O meu olhar te diz, enquanto mudo,
que te amar nessa vida me convém
e do teu nada quer fazer meu tudo,
e além de tudo quer ir mais além.

Mas de tanto ler o meu olhar desnudo,
o teu olhar quer dizer, mudo também,
que o silêncio tem forma e conteúdo,
e mensagens de amor, num vai e vem.

E o segredo sagrado, verdadeiro,
que contradiz a voz do mundo inteiro,
faz a palavra inútil, sobretudo;

Se nosso olhar se cruza num momento...
Tudo o que fala a voz do sentimento,
os olhares dizem, enquanto mudos.
 
A MAGIA DO OLHAR

LOUCURAS POR VOCÊ

 
Quando você se foi da minha vida,
naquela hora suprema de desgosto,
um oceano de mágoas em meu rosto,
forjou a cena cruel da despedida.

Quando você se foi, pedi guarida
ao mais indefectível pressuposto;
tanto faz ser Abril ou ser Agosto,
loucuras por você são cometidas.

Depois de transgredir a última lei,
nas esquinas do mundo perguntei
a quem duvida de tudo e a quem crê...

E vasculhei essa terra a cada palmo,
e procurei a resposta até nos salmos,
mas não havia ninguém como você...
 
LOUCURAS POR VOCÊ

ALMAS GÊMEAS

 
Na hora que meu peito ensandecido,
pelas mágoas vividas na jornada,
procurava sem rumo a paz sonhada,
foi muito bom eu ter te conhecido...

Fiquei assim com a alma fascinada,
como se Deus ouvisse o meu pedido.
Quem tinha à noite o coração partido,
amanhecia de força renovada.

A juventude é sonho e fantasia...
Mas veremos; há de chegar o dia,
nossas faces cansadas, consumidas.

Mas certamente ainda apaixonadas.
Na esperança, as dores transformadas,
e no perdão, as mágoas convertidas.
 
ALMAS GÊMEAS

A SEITA QUE NINGUÉM ACEITA

 
Obviamente, quase ninguém aceita
estranha seita secreta que eu sigo;
não há temor, nem céu, nem inimigo,
mas a porta é muito mais estreita.

Sem despesa qualquer e sem receita,
nosso culto é feito ao desabrigo
e como a escritura inda não foi feita,
ninguém precisa de crer no que eu digo.

Ao comungarmos juntos ou dispersos,
o nosso templo é todo o universo,
pois um amor espontâneo é a base.

E quando quero cultuar sozinho,
o sentimento flui, que nem o vinho,
na vastidão do meu pequeno oásis.
 
A SEITA QUE NINGUÉM ACEITA

A RUA SEM FIM

 
Eu caminhava pela rua, quando,
naquela rua onde eu caminhava,
seguia em busca de mim me procurando,
e na procura meu “eu” se extraviava.

Enquanto eu ia pela rua andando,
o som dos passos, longe retumbava,
e essa rua sem fim se prolongando,
e essa busca por mim me escravizava.

Imerso nesse mundo entorpecido,
maldisse a essa rua, que tornou a mim,
um caminheiro eterno e dividido.

Mas do estado onírico, o despertar,
mostrou-me que era justamente assim,
que eu seguia no mundo a procurar...
 
A RUA SEM FIM

DITADURA DO APAIXONADO

 
Eu não afirmo que a lei é desumana;
essa que anda na vida a me acusar
e conduz lentamente à dor tirana,
na punição de sempre te adorar.

Tua lei no meu mundo é soberana
e eu prometo jamais me rebelar,
e só enxergo prazer na idéia insana,
de ir de rastros a ti, pra me entregar.

Sendo impossível uma revolução,
na ditadura da tua sedução,
sou um súdito fiel, conservador.

Num momento de greve, de repente,
que tua lei me conduza firmemente,
para a perpétua prisão do teu amor...

Poeta nascido em João Pessoa, Pb, transita no mundo dos versos desde tenra idade, tendo um livro de sonetos publicado; O INCONSCIENTE COLETIVO DE CADA DIA, com a apoio da Lei de Incentivo à cultura do estado do Acre. Foi classificado no concurso POETAS DO BRASIL, patrocinado pela Arte Bahia, com o soneto intitulado NADA SE COMPARA. O poeta desenha seus pensamentos e sentimentos sempre usando o soneto como tela. Possui atualmente 100 sonetos inéditos, metrificados e prontos para edição em livro, faltando apenas um apoio que viabilize tal empreitada.
 
DITADURA DO APAIXONADO

CATEDRAIS

 
Numa visão de priscas catedrais,
imensa paz eu senti no meu espírito.
Sob a penumbra em cores dos vitrais,
elevei o meu cântico ao infinito...


Perante o templo de eras ancestrais,
de translúcidas cores, tão bonito,
num retinir de taças e cristais,
Postei-me em oração; olhar contrito.

Nesse êxtase de funda devoção,
plena quietude e paz no coração,
eis que me perdi em doce labirinto...

Ao soar de um sino vi uma saída;
de belas catedrais eu voltei à vida
e me restou somente a dor que sinto.
 
CATEDRAIS

CERTAS CARÍCIAS

 
Certas carícias muito nos maltratam,
pois sentimos na pele a falsidade.
Certos abraços asfixiam e matam,
porque plenos de possessividade.

Muitos falsos amores só retratam,
nosso desejo de crer na inverdade
e quando sonhos bons nos arrebatam,
ficamos cegos para a realidade.

“Rolando” a química, ao primeiro abraço,
estamos prontos pra cair no laço,
de um sinônimo eterno da loucura.

Ninguém sabe o destino reservado,
mas para o pobre amante enfeitiçado,
é impossível fugir do que procura.
 
CERTAS CARÍCIAS

AS PORTAS DA PERCEPÇÃO

 
Há algo de eterno na efemeridade,
como se o brilho fatal da ilusão
ofuscasse as portas da percepção
para a miséria da ruga e da idade.

Há algo de efêmero na eternidade,
quando envolta nas brumas da razão,
pois o "homo sapiens" desta dimensão
é um escravo da temporalidade.

Na delirante procura do eterno,
as projeções dos seres merencórios,
forjam os deuses, os céus e os infernos...

Mas o poeta vê, ao meditar profundo,
que nas asas de um verso transitório,
pode voar e pisar em outros mundos.
 
AS PORTAS DA PERCEPÇÃO