https://www.poetris.com/
Crónicas : 

O DIA EM QUE VINÍCIUS DE MORAIS CANTOU EM TRÊS CORAÇÕES

 
Houve uma época que queria ser Vinicius de Morais. Era o homem que vivia a poesia integralmente. Essa minha crise de identidade também se estendeu a John Lennon. Mas aconteceu primeiro com Vinicius.
E Vinicius foi a Três Corações, minha cidade natal. O ano? 1976. Ainda em plena ditatura. Onde? No cinema da EsSA, dentro do quartel – até hoje o único teatro da cidade. Os músicos: o violão do Toquinho, um baixista (não lembro o nome) e o baterista-compositor Mutinho (muito elogiado por Tom Jobim). Toquinho estava de cabelos longos (como era comum na época).

Antes de Vinicius, levaram para o palco um carrinho com uma garrafa de whisky, copo e um baldinho de gelo – como se fosse uma anunciação – uma certeza de que o poeta entraria em cena. Diziam, que além da voz, o whisky era o seu outro instrumento.
Quando Vinicius surgiu e se acomodou diante da mesinha, tive a impressão de que uma luz escura se abatera sobre o poeta. Estava lá o artista com os seus pecados, seus amores rompidos, suas idas e vindas. Ali estava um homem erudito, mas que carregava todo o peso e a experiência de histórias e desencontros.

Mas o show transcorreu leve. Os sucessos se seguiram: Regra Três, Pela Luz dos Olhos Teus, Tarde em Itapoã, Testamento, Gente humilde, Samba da Bênção, Samba da Volta, Sei Lá a Vida tem Sempre Razão e muitas outras.

Como já falei, era tempo de ditadura. E o show foi num quartel do exército. E eu sabia que o Samba de Orly (parceria com Chico Buarque e Toquinho) tinha duas versões, uma delas autorizada pela censura: “Vai meu irmão /pega esse avião / você tem razão de fugir assim / desse frio / mas veja o meu Rio de Janeiro / antes que um aventureiro lance mão. Pede perdão, pela duração dessa temporada” –. E a versão não autorizada dizia tudo igualzinho com a exceção que concluía diferente: “Pede perdão pela omissão, um tanto forçada” – que se referia ao exílio no exterior que muitos artistas foram obrigados para não serem presos no Brasil.

No ar, uma tensão quando chegou o momento de cantar o verso. Naquela época não havia a liberdade que hoje temos para falarmos ou postarmos na internet o que quisermos. A menor crítica ou provocação ao regime poderia render repressão, prisão ou até tortura. Mas Vinicius não se intimidou. E lascou com todas as sílabas em bom som, a versão proibida: “Pede perdão pela omissão, um tanto forçada”. O poeta deu o seu recado. Saímos do show com a alma lavada.


Luiz Felipe Rezende


 
Autor
Luizfeliperezende
 
Texto
Data
Leituras
197
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
4
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 16/11/2017 12:16  Atualizado: 16/11/2017 12:16
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29136
 Re: O DIA EM QUE VINÍCIUS DE MORAIS CANTOU EM TRÊS CORAÇÕ...
Foram momentos inesquecíveis, e brando


Enviado por Tópico
PROTEUS
Publicado: 22/05/2018 21:40  Atualizado: 22/05/2018 21:40
Colaborador
Usuário desde: 27/03/2010
Localidade:
Mensagens: 3548
 Re: O DIA EM QUE VINÍCIUS DE MORAIS CANTOU EM TRÊS CORAÇÕES
Em tempos de golpe é importante lembrar destes pequenos heroísmos que hoje nos faz tanta falta.