https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Rio acima

 
Eu sou do contra.
Não páro em nenhuma montra,
talvez no fundo dum armazém,
não daqui, mas do além.

Eu opino
e acho que construo o meu destino,
ninguém destina por mim, não,
se não for da minha opinião!

Acontece ser do contra, acaso,
o presente avança no meu atraso,
fora do lugar:
uma voz que não é possivel calar!

Quando vou na corrente
o rio parece ficar doente,
e lá regresso à margem;
rio acima, a minha viagem...


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
489
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
1
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 17/10/2015 09:50  Atualizado: 17/10/2015 09:50
 Re: Rio acima
cidadão e poeta que se preze não pode ir na corrente, essa via sem surpresas ou desafios. parabéns, Rogério