Crónicas : 

Dias assim-assim

 
Os dias nus que espreito pelo buraco da fechadura como senão fizesse parte deles, dias de sol posto logo pela alvorada da manhã. Vestido de pranto, despido de riso que não o demente.

Um riso estranho de escárnio como quem raspa as unhas na lousa despida de letras, num arrepio infinito que me atinge a cervical, assim mesmo de longe só espreitando pela fechadura.

Na vida dos outros projecto a minha, sem lhes tomar as dores que as minhas já me servem de pena maior num exercício cínico que aprendi, sem tempo para a dor dos outros!

Mas observo-as assim de longe concentrado nas minhas, diminuo-as até ao tamanho do buraco diminuto da fechadura pela qual as espreito.

A dor traveste-se de uma presença constante como uma ciática que se ferra qual dente de cão raivoso que nem as dores dos outros aplaca. Essa presença como uma aura que se projecta do lado de lá da fechadura, tudo cinzento num gemido surdo de bocas gretadas, cerradas pelo desconforto de quem se sente observado.

Uma presença sem velcros que possa descolar num arremesso de braços, como um streeper que se solta para deleite dos outros. Uma armadura medieval que não me protege dessa presença, como ácido, infiltra-se nas soldas das uniões da viseira e atinge-me a alma através da iris que me trás as imagens do lado de lá.

Cega-me essa presença constante da tua ausência!

 
Autor
jaber
Autor
 
Texto
Data
Leituras
297
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
35 pontos
5
3
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 27/09/2016 15:05  Atualizado: 27/09/2016 15:06
 Re: Dias assim-assim
Bravo! Encantada com a última frase. Parabéns!

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 27/09/2016 16:20  Atualizado: 27/09/2016 16:20
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade: Cacém
Mensagens: 922
 Re: Dias assim-assim
Dias assim-assim.
E então em dias maus? Nem quero imaginar...

Crónica maldita, dia-não, em que as ausências são regulares.
Haja o riso demente pelo menos e rir até ao grito.
A última frase é o corolário e mote. Ivo.

Há ausências que seguem, perdão cegam!

Abraço.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 27/09/2016 16:28  Atualizado: 30/11/2016 22:28
 .
.

Enviado por Tópico
MaryFioratti
Publicado: 27/09/2016 17:43  Atualizado: 27/09/2016 17:43
Colaborador
Usuário desde: 09/02/2014
Localidade:
Mensagens: 2183
 Re: Dias assim-assim
Um texto muito bem escrito.
Mas quando o li, nao pude deixar de senti-lo muito frio, apesar de toda dor da ausencia
citada no final. Nao senti essa dor na suas palavras. Elas soaram para mim como voce procurasse incessamente palavras para definir essa constante ausencia, e nao as encontrasse.
A leitura ficou para mim mais ou menos como essa armadura medieval.
Protegeu-me do sentir.


*Mary Fioratti*

Enviado por Tópico
karinna*
Publicado: 29/09/2016 01:17  Atualizado: 29/09/2016 01:17
Da casa!
Usuário desde: 02/09/2016
Localidade: Rio Grande do Sul
Mensagens: 395
 Re: Dias assim-assim
*Há um que de genialidade nesse condensar a visão desse mundo (teu) pelo buraco ínfimo da fechadura.
Essa parte me laçou.
E o fecho...desnudou a sensibilidade implícita nas linhas...
Divaguei legal!
Abraçoka*