https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

O Dedo do Destino

 
Chegaste no dia em que parto.
Que maldade nos fez a Natura!
Como o dedo do Destino é ingrato!
Unir duas tão distintas criaturas!

Pela janela já vejo caindo a neve
Polvilhando o relvado lá de fora.
Tudo me parece tão suave e leve
Justo agora que vou-me embora.

Tu tens ainda toda uma primavera
A tua espera lá fora para ser curtida
Feito borboleta volteando no bosque.

Sintas dos meus lábios o último toque
Estarei em algum recanto a tua espera:
Agora cálice a minha voz e a minha vida.




Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
213
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
16 pontos
4
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Carii
Publicado: 12/03/2018 20:19  Atualizado: 12/03/2018 20:19
Colaborador
Usuário desde: 28/11/2017
Localidade:
Mensagens: 1390
 Re: O Dedo do Destino
Bonitos os teus versos Gyl.. o dedo do destino que nos faz meros peões neste jogo celeste.. levo comigo. Beijos.


Enviado por Tópico
boxer
Publicado: 13/03/2018 16:01  Atualizado: 13/03/2018 16:01
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2009
Localidade:
Mensagens: 628
 Re: O Dedo do Destino
.
Gostei do jogo de palavras no último verso (cálice / cale-se). Sacrifício e silêncio -- o que resta aos amantes depois da despedida. Tem qualquer coisa de camoniano, certo?