https://www.poetris.com/
 
Contos -> Minimalistas : 

Ser.tão faminto

 


Eram dois olhos opacos gigantes na face magra.
Quatro galhos secos imitavam pernas e braços.
Pequeno ser cortando vento; vulto bambo, trôpego nos passos.

- Mãe, o que tem ele? Por que só geme e não responde? Por que sua pele não tem viço...Por que não dá nem um passo?

- É porque dentro dele a fome encontrou espaço.



beirando um mar infinito

 
Autor
MyrellaCasav
 
Texto
Data
Leituras
216
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
13 pontos
1
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 18/05/2018 09:14  Atualizado: 30/05/2018 13:36
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1576
 Re: Ser.tão faminto
Há quatro personagens no conto.
A que mais me impressiona é a fome.
As primeiras duas frases fazem lembrar o descrição que Ovídio faz da mesma. Devastador. No mesmo livro, Erisiction é possuido pela fome. Ela entra nele na forma de um beijo e nunca mais o larga até que este acaba por comer-se. Autofagia acho ser o nome.
A personificação da fome que fazes no fim é o elemento forte do conto.

A inocência do filho, a sapiência da Mãe dá-lhe um colorido acrescido.

O Vulto.
Não consigo descortinar bem quem seja. Sei que é um ser.tão conhecido da família quanto possível.
Mas o espectro da greve de fome também é possível.
Lembrou-me um pouco o filme "hunger" realizado por Steve McQueen em 2008. Muito mau de bom.

Bj