Crónicas : 

Esturro ou azedume

 
Tags:  Cronicar    cheiramázedo  
 
Vocifero.
Ando mal da pinha, ou de pinhas, que, para quem não sabe, apanhar pinhas da mata é o meu dever. É mau estar mal do meu dever.

Rock Radioactivo é um dos albúns duma banda chamada Mata-Ratos.
Conheço-os há um bocado.
O seu maior single é “ A minha sogra é um boi”. Pessoalmente prefiro o CCM.
CCM, para quem desconhece, são as siglas de Cona Cu e Mamas.
Punk parvinho é uma das minhas taras, mais ou menos tipo Quim Barreiros, mas sem maldade. Ou, só com maldade.

Decidi criar uma banda dum homem só de berimbau chamada Mato-Ratas.
É uma homenagem.
O meu primeiro single vai-se chamar O meu sogro é uma vaca. O segundo vai intitular-se só Caralho! Com ponto e tudo.
Agora só falta aprender a tocar.
Ninguém canta.

Neste sábado aconteceu-me algo novo. Fez dois anos da Guerra entre Ucrânia e Rússia.
Esta merda nem um fim-de-semana devia ter sido.
Vou sugerir ao Japão para ensinar em quinze minutos, à Rússia, o conceito de Seppuku.
Não, isso queriam eles, um cepo no cu.
É a forma com que esses asiáticos lidam com a desonra.
Tenho uns tocos de carvalho que dão para afiar.

Assim faziam a guerra, ou seja mortos e mais mortes. Virar o bico para o umbigo, e espetar.
Um tipo de homicídio direcionado à própria estupidez.
Todos ao mesmo tempo... acabava em vinte minutos.

O filho mais velho do outro otário tem rinite alérgica.
Quando na casa deles fica um centímetro de pó, desata a espirrar como um sem alma.
Como é estudante de engenharia física e decidiu obrar seja o que for, foi-lhe dito em tom jocoso que devia acabar com ele.
Foi advertido que a entidade divina monoteísta determinou que somos todos isso, pó. Pó em catalão é medo.
Auspicioso, acabar com a alergia e o medo ao mesmo tempo.
O pior, é que o puto vai ganhar milhões com a merda da invenção que de certeza vai conseguir atingir.

Vai haver menos pingos no nariz.
E areia na praia e nas ampulhetas.
Nos cemitérios, que deixarão de existir.

Expliquei-lhe, à laia de amigo, que pode não ser uma boa ideia.
Não haveria matéria prima para os banhos de lama dos porcos e das porcas.
Desertos, de ideias e dunas.
Riu-se, e senti um frio na espinha.
Afinal, não vale a pena ensinar nada aos Russos e podem guardar as espadas e os drones.
O fim, está perto.


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra, não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
148
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
HorrorisCausa
Publicado: 28/02/2024 18:12  Atualizado: 28/02/2024 18:12
Administrador
Usuário desde: 15/02/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 3585
 Re: Esturro ou azedume/ mata ratas
Olá RB
Falta de pilha não tens.... escrito a acidez , sem zinco, chumbo e magnes,neste caso a poluir ,serão as cabeças de pinha ou pinho ou...o caraças.

Atenciosamente
Hc

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 28/02/2024 20:57  Atualizado: 03/03/2024 06:57
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1925
 Re: Esturro ou azedume
Mundial de dois mil e vinte e quatro


São dois, mil, ou bem mais, de duzentos
anos-luz apagada, não é ela
tempo, centímetros passarela
de fins, todos os segundos lentos.

São dois, mas a menos, de lamentos.
Sem bela janta à luz da vela
de reza, mãos unidas pela
alma que duvido, céus cinzentos.

São dois, não contaremos’ segundos.
Proponho magia, contar atrás,
a dois mil e catorze, ou outro tal…

Os físicos defendem outros mundos.
Eu, poeta, defendo também paz
mundial.


De cheiramázedo