https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Tristeza : 

Escritos Imperfeitos

 
<object width="425" height="344"><param name="movie" value="http://www.youtube.com/v/6OkbXKh3dBU& ... t;</param><param name="allowFullScreen" value="true"></param><embed src="http://www.youtube.com/v/6OkbXKh3dBU&hl=pt-br&fs=1" type="application/x-shockwave-flash" allowfullscreen="true" width="425" height="344"></embed></object>
Linhas cruzadas imperfeitas e partidas
Rabiscos de caneta sem tinta nem cor
Prosas ou poemas desta vida sofrida
Onde perdura a raiva e onde se perde o amor

Sem perceber o que faço ou o que escrevo
Deixo minha mão navegar no oceano de papel
Batido pelo medo, tempestade e enredo
Afundo, naufrago neste tinteiro de fel

São escritos curtos vazios e dementes
São escritos saídos dos agouros da alma
São palavras vãs, frias, roucas e doentes
São palavras saídas de mãos sem palma

Agora vem somente o ponto de exclamação
Trazendo a frase a entoação fria devida
Trazendo a raiva, a tristeza e a desolação
Terminando a quadra com um sentir de vida perdida

Com poucas palavras em mente divago
Percorro a Portuguesa com calões e alegorias
Figuras de estilo para encher! Ai Saramago!
Que lês estes pseudo versos! não te rias!

Escrevo sem jeito de poeta ou criador
Simplesmente rasuro o papel que chora
Por escrever palavras sem alma nem cor
E que me pede para terminar por agora

Por escrever tão mal despejando a raiva
Vou abortando palavras e enterrando frases
Despejando na cova palavras de gelo, saraiva
Tentando assim com o meu mundo fazer as pazes.


"Quanto maior a armadura, mais frágil é o ser que nela habita!"



 
Autor
Gothicum
Autor
 
Texto
Data
Leituras
838
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.