https://www.poetris.com/

[Amor Em Gotas]

 
[Amor Em Gotas]
 
 
https://www.4shared.com/mp3/eKYmKYaOei

Gosto de revirar minhas cartas
fazem verter meu sangue em forma de poesia!
Sentir o algodão da linha na minha pele
Costurar meu corpo na vã certeza que meus dias se encerram nas minhas entranhas
com a passagem do tempo deslizando em reflexos de ti
[dentro de mim]

Me faz bem o silêncio agudo
Interrompido apenas pelos caos de um poema antigo
-onde tenho tantos amores que cabem no canto mais vermelho do meu coração.

O amor em gotas
o aroma do chá de morangos
o moinho e o catavento
-giram a vida
enquanto isso, uma borboletinhas cor de cereja
rabisca o dia [com pincéis de luz]
por detrás dos meus olhos

E o céu continua lindo!
Tão lindo que dá vontade de ser nuvem... e ir!...]

Ro Fontana

Obrigada, Kappo querido!
Sua voz deu vida a minha poesia!
Gratidão!
Beijinhos de luz em seu coração que eu tanto gosto...!
 
[Amor Em Gotas]

✿ Descem os lobos à aldeia 🐺

 
✿ Descem os lobos à aldeia 🐺
 
Descem os lobos à aldeia
Em noite de lua cheia
Uivam ferozmente
Fecham-se as portas, as janelas das casas
Com medo da alcateia, quando na verdade
Fechamos as portas à vida
Às gentes que nos pedem ajuda
Somos egoístas, maus de caráter
Temos medo de tudo e de todos
E não é dos lobos
Sente-se o cheiro da lenha a arder
Das lareiras cheias de gente ou vazias do nada
Se tiver de morrer, morro de pé
E não subjugada a mentes hipócritas
Falsas com o coração de pedra
Pessoas que fazem as coisas
Ou dão com segundas intenções
Maldosas e muitas vezes ignorantes de si próprias
Que gostam de humilhar e escravizar os outros
Descem os lobos da serra à aldeia de noite
À chuva, ao vento
Ficam as marcas na neve, como punhais
Que deixam feridas no peito e na alma.

Perdemos o respeito
A liberdade
E somos devorados
A culpa não é dos lobos

🐺ღ╭✿ ♥🗡️
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
✿ Descem os lobos à aldeia 🐺

Tons Azul [Do Teu Céu]

 
Tons Azul [Do Teu Céu]
 
 
Trouxe-me o vento
o toque mágico dos teus dedos
A acarinhar os vértices
dos meus [mais secretos] desejos

Em delicadas mandalas de cristal
Inundo-me do azul palidamente suave
No sorriso da lua
-mar revolto e chuva solta ao vento
Sei-te amor
A acarinhar os meus sonhos
No aconchego das nuvens

O perfume dos lírios
Os papéis de carta
As carícias do teu sorriso
Sussurros fora do tempo
-no perfume doce das pétalas de uma flor

[Teus os meus lábios criam asas]
E eu sei de cor
o sabor dos teus lábios nos meus
quando tu dizes que me ama

Ro Fontana
 
Tons Azul [Do Teu Céu]

[Silêncio Em Cores]

 
[Silêncio Em Cores]
 
 
Dos meus lábios nasce o desejo
Que calmamente
deita-se em meu peito
-Em aromas de pétalas brancas
Como melodia
trazida pela brisa
no silêncio da minha alma
Com os sons e formas
que emoldura o meu viver
e me fazem sonhar

-Dançam livres as libélulas a brincar

No reverso do avesso do teu olhar
Deslizei nos contornos doces dos teus lábios
-A brisa que se dilatou no silêncio
Trouxe o hálito fresco da paixão
De branda maresia
A transparência dos teus sonhos
a caminhar no adentrar do meu corpo
Confessa nos meus lábios os murmúrios e os segredos de amor
E eu adormeço no doce sentir do beijo teu

Ro Fontana
 
[Silêncio Em Cores]

Um Amor De Outras Vidas [...]

 
 Um Amor De Outras Vidas [...]
 
 
Tempo de amar
À meia-luz
só posso contar-te dos amores que não [re]conheço!
sobre sonhos
é inútil escreve-los
pois dos que deles vivi, não me interessam mais.

[Entenda]

Gosto do teu olhar desenhando meu sorriso
Da ponta dos teus dedos em minha [delicada] pele fria.
O aroma do chá de hortelã
Um livro de poesia...

[A estação da paixão, a nossa primeira vez]

Na sala
sob a luminária
As margaridas imóveis no vaso de cristal
exalam poesia
A janela entreaberta
O desejo
tece com o vento da varanda
É madrugada fria

Serei tua. Só tua.
Vestida de amor
Como poesia vestida de melodia

Ro Fontana
 
 Um Amor De Outras Vidas [...]

Se eu morrer antes de ti 💘

 
Se eu morrer antes de ti 💘
 
Se eu morrer antes de ti
Não chores meu amor
Quero que rias, que rias muito
Que te lembres de tudo que fomos
De tudo que sentimos, que fizemos
Que nos amámos, que vivemos
Que chorámos juntos
Mas se quiseres chorar, chora meu amor
Mas não culpes ninguém, muito menos Deus
Olha para o sol, a lua, a chuva, as flores
Sejam elas rosas, camélias orquídeas
Estarás a olhar para mim meu amor
Sempre que quiseres falar comigo
Ouve o canto dos pássaros, o vento
O barulho das ondas do mar
A chuva a cair no teu rosto
Saberás que sou eu meu amor
Por isso não chores, limpa as tuas lágrimas
Olha para o jardim que nos plantámos
Essas lindas flores que são os nossos filhos
Criaturas lindas que eu tanto amo
Recorda todos os momentos de felicidade
Vividos por nós foram tantos meu amor
Apesar de muitos sonhos terem voado
Não me arrependo de tudo que vivi contigo
Se eu morrer antes de ti meu amor
Por favor não chores meu anjo
Terei morrido feliz.
💘🌹

O meu corpo é feito de livros
paginas lidas de grande sentimento

💘💘🌹

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Se eu morrer antes de ti 💘

[Corpos E Almas Num Encaixe Perfeito]

 
[Corpos E Almas Num Encaixe Perfeito]
 
 
[Corpos E Almas Num Encaixe Perfeito]

Perco-me por entre sonhos
[Desfeitos e feitos]
Me encontro no sabor agridoce da esperança
Onde tudo é mais belo aos olhos dos amantes

Em pensamentos loucos e insanos
Sonhos e desejos se misturam
Paira no ar um fascínio
Que me instiga os sentidos

Danço para as estrelas
E vejo o brilho delas em teu olhar
[Me perco em desejos]
Espero insaciável pela [tua] boca
Que percorre e explora o [meu] corpo

O toque da tua alma
O silêncio da tua ausência
Poesias e juras de amor
Que poderiam escrever mil canções
[Me faz te esperar a vida toda!]

p.s
A poesia [minha]
Continua te amando
E [me] fazendo sonhar!

p.s2
As estrelinhas?
Sim! Eu as quero!
[Todas!]

.

Por Ro
 
[Corpos E Almas Num Encaixe Perfeito]

Estou triste, desiludida e cansada 🌹

 
Estou triste, desiludida e cansada 🌹
 
Estou triste, desiludida e cansada
Das dores que me castigam
O corpo e a alma
Das injustiças, de tanta falsidade
E a hipocrisia do ser humano
De ver as pessoas a viver de aparências
De ver tanta desigualdade
Entre ricos e pobres
De ver tanta maldade, que fazem às crianças
De tanta incompreensão no trabalho
Das falsas promessas dos nossos governantes
De conviver com pessoas egoístas
Maldosas fúteis e inúteis
De ver prosperar a impunidade
A nossa justiça é cega
De ver tanto sofrimento, no abandono dos velhos
De tanto desamor, entre pais e filhos
De ver tanta falta de fé e de esperança
De ver portas fechadas para quem mais precisa
Que mundo é este em que nós vivemos?

Lavo a minha alma triste
Num terror latente
De gelado mar de tanta desilusão.

🌻🌹
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Estou triste, desiludida e cansada 🌹

ღMortal viver, mortal morte, Covid 19✿

 
ღMortal viver, mortal morte, Covid 19✿
 
Conta-me dos mortos, que dos vivos eu já sei
De enxada na mão, da alma que sofre
Chuva que bate forte nos ramos da pobre videira
Nas parras do nevoeiro na serra
De viciosos caminhos de lama
Pois as nossas almas belas assemelham-se
Ao luto negro do amanhã
Por entre os palcos do velho circo

Conta-me dos mortos, pois dos vivos nada sei
Onde perco o trilho do nosso refúgio
Papoilas que voam na tempestade sombria
Deixadas no chão já secas, molhadas
Molhadas de tinta do velho tinteiro
Que sobrevive com pena ou dor

Conta-me dos mortos, que dos vivos pouco sei
No padecer de um vírus que ataca
Em cada abraço, cada beijo, cada aperto de mão
Que tortura o corpo já sem falar na mente
A morte espreita em cada canto do mundo
Em cada esquina na escarpa que me fere os pés

Conta-me dos mortos que dos vivos pouco me lembro
Nesta aflição que enregela o meu canto ou o meu trabalho
Deste vírus mortal que ataca toda a humanidade

Conta-me dos vivos, que dos mortos esses não ficarão esquecidos
Na saudade que já deixam de tantas lágrimas perdidas
De um adeus feito a distância que sufoca a alma
Pois a esperança nasce todos os dias e a fé a todas as horas

Carpe diem

Os caminhos são feitos de pedra
Mas Deus nos ampara mesmo descalços

🌹👒🍂

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
ღMortal viver, mortal morte, Covid 19✿

[Uma] Aquarela De Amores!

 
[Uma] Aquarela De Amores!
 
 
Gosto da meia-luz
das noites calmas
quando o vento a bordejar
faceiro e cheiroso,
mostra o caminho por onde vens

Nas asas dos sonhos
Seguirei até o fim por esse
[Nosso caminho]
Em busca de teus olhos de nácar

Flocos de algodão, caminhos repletos de cor
[uma] aquarela de amores!
um mar de horas
que se passou
tão distante
do sopro
que senti antes
do teu beijo...

p.s

Sinto que não sei falar
o Q-Sinto

p.s2

E [Eu] Sinto Tanto...

.

Por Ro
 
[Uma] Aquarela De Amores!

Encontrei No Ar A Fragrância Da [Tua Pele]

 
Encontrei No Ar A Fragrância Da [Tua Pele]
 
 
As minhas mãos florescendo entre as tuas
Colorindo a vida com as cores do amor
Cores fortes
[De coisa boa que não desbota]
Num pedaço de céu que parece nem ter cor
Por onde se perdem leves os balões

Regressas sempre
Em palavras que afluem banhadas em saudades
No céu da minha boca

[Palavras vivas em mim]

Hoje sou feita de versos e um pouco de mar
Tenho a pele salgada de palavras desenhadas pelo teu olhar
E usei meu perfume floral
[Milagres de flores num vestido branco]
Degustei as romãs mais doces do que as maçãs que me oferecias

Sorris na distância dos quilômetros que não digo
Atentamente escuto o vento
Que vez ou outra trás o silêncio do teu beijo
Nas lembranças de minha memória
Feito abraço que não cansa que dá o mundo e o sonho e enlaça amor
Enquanto eu voo até mim para chegar antes da explosão dos ventos

[Para sempre...enquanto eu respirar________]

Ro Fontana
 
Encontrei No Ar A Fragrância Da [Tua Pele]

[O Amor Comeu A Minha Paz]

 
[O Amor Comeu A Minha Paz]
 
 
[O Amor Comeu A Minha Paz]

Cerejeiras em flor
Numa imensidão de céu
Sinto as melodias em rascunhos
Onde versos são rimados em silêncio

Sopros de um céu em chuva
Violado pelas memórias invencíveis
[De pele na pele]
De noites que o dia não pode sussurrar

Nesse céu posso voar para onde eu quiser
Sem álamos, sem luas
Enganando meus sonhos [tantos]
Ao cair das estrelas viajo na tua pele de marfim

Uma outra vida, um outro tempo
A fragilidade dos espelhos já não me refletem
Letras de papel recortadas pelo tempo
Onde o amor comeu a [minha] paz

Por Ro
 
[O Amor Comeu A Minha Paz]

Quando eu morrer flores despidas 🌷

 
Quando eu morrer flores despidas 🌷
 
Quando eu morrer não digas a ninguém
Partilha comigo alguns minutos
Uma noite inteira. Cobre o meu corpo
Frio com um lençol branco
Quando eu morrer
Recita um soneto, um poema
Que escrevi, talvez o tenha
Escrito para ti, fica junto de mim
Quando eu morrer
Deixa-me ver mais uma vez o mar
Promete-me que não choras
E nem tocas com a tua boca
Os meus lábios frios
Promete-me que lanças a tua solidão
A tua dor, as tuas lágrimas
Para um poço profundo
Sem olhar para trás
Que cuidarás das nossas flores
Quando o vento e a chuva chegarem
Serei o teu anjo da guarda
E todo o meu amor brilhara em ti
Quando eu morrer estarei eternamente
Presente no teu coração
Continuarei a viver no teu pensamento
Com amor e saudade
Quando eu morrer por favor
Não digas a ninguém que eu parti
Que parti como as flores despidas
Despidas pelo vento.

Quando eu partir
Chora com alegria
Que eu estarei na serra
Entre os lobos
🌷🌺
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Quando eu morrer flores despidas 🌷

[Filtro dos Sonhos]

 
[Filtro dos Sonhos]
 
 
Encanta-me
o suave bailado
incandescente do amanhecer
Onde os sonhos despertam
nas notas do teu perfume

-Cortina de pétalas tecida [em sonhos ] em versos
num poema de amor ao som do sino dos ventos

A saudade bordada de tênues lembranças do teu sorriso
As flores de mel
acariciadas pelo toque da brisa [que soprava doce]
Sorrisos entrelaçando amores
-No aroma de incenso flutuam sonhos e poesias
O sorriso que nasce nos teus olhos
O toque mágico dos teus dedos
O sabor do licor de cerejas
A inspiração em silêncio
que transforma-se em versos para o meu Amor

-uma página em branco [nas carícias dos ventos]

Ro Fontana

-Aos 9 dias maio de 2017.
-[Re-inventando infinitos [meus].]
 
[Filtro dos Sonhos]

*Tarde quente de outono de tanta beleza ღ

 
*Tarde quente de outono de tanta beleza ღ
 
Tarde quente de outono
Caiem as folhas secas desta tarde
Tarde pintada, tão colorida, acabou o verão

Folhas caídas pintadas e belas
Sem terem pintor, é a mão de Deus
Que as pinta, nunca as vi com tanta cor

Se é de morte ou de vida, só Deus sabe
Não é comigo que sou uma pobre alma
Que gosta de ver, as folhas das vinhas

Das árvores nuas e despidas
Eu sei é que nunca vi tantas cores
Tanta beleza nas folhas caídas no chão

Caminho pelas folhas do outono
Este outono cheio de cores
Ramos partidos das mágoas da vida

Tantas vezes perdidas, esquecidas
Onde mergulho nos aromas e cheiros
Das folhas secas das árvores

Fragrâncias perfumadas deste tempo
Passado de lembranças perdidas de amores
Outono nostálgico de prazer e paixão

Sentidas na alma, no corpo ferido
Pelos ramos nus das árvores contidas
Época da nossa vida pelas folhas soltas de dor!

Cada folha é uma pétala
de Outono na cor do nosso coração
e que as folhas secas façam sorrir a nossa alma.

🌺🌻
Isabel Morais Ribeiro Fonseca.
 
*Tarde quente de outono de tanta beleza ღ

[...Preciso regar as flores do deserto!]

 
[...Preciso regar as flores do deserto!]
 
 
Um algodão doce, uma asa de anjo, uma música
e a fita azul que trouxe o cheiro do amor antigo
lembranças em cinza
e vermelho
[outras até sem cor]

O coração dilacerado e uma infinidade de silêncios
hoje eu preciso regar as flores do deserto!
[e as guardo no silêncio que abraça minha poesia]

Nos meus lábios um beijo frio
na lâmina do teu sorriso

nas cicatrizes antigas
os meus olhos de silêncios
[que sabem tolher poemas]
rasga as pálpebras e sangra a pele
onde o dia cega a escuridão

Arde-me ainda o teu beijo nos lábios que te recuso.
[faz-me falta algo mais que o teu corpo]

p.s
Eu respiro você...

[Você sente______¿ ?]

Por Ro
 
[...Preciso regar as flores do deserto!]

[Do Que Chamei De Amor]

 
[Do Que Chamei De Amor]
 
 
[Do Que Chamei De Amor]

Longínquo e desajeitado
Um verão que não volta mais
Anula em mim a promessa feita
Causando um arrepio [vadio] em minha pele
Empunhando em riste o sabor amargo do silêncio

[Engana-se a solidão!]

Não há desejos, como não há estrelas no céu
Há uma chuva forte a espalhar as aflitas letras de um poema frio
Há uma tempestade na noite que se vestiu de céu
Explodindo cores e chuvas

Calo tudo o que há em mim
Meu sorriso é nostalgia
Sopro minhas dores na neve das páginas em branco
Em limalhas de luz quase derretidas

Chamo teu nome [que aprendi soletrar em silêncio]
Grito com meu olhar as mentiras que gostas de ouvir
Refletidas em vazios espelhos
Por entre paredes feitas de giz

.

Por Ro
 
[Do Que Chamei De Amor]

Um Pecado [Poema]

 
 Um Pecado [Poema]
 
 
Um pecado poema
[pintado num diário de sonhos]
Se aninhou nas asas de uma borboleta
e aprendeu voar com as folhas sopradas pela forte brisa ao luar

Fez um buquê de sonhos e ofereceu à vida
Abriu a janela e beijou o sol
Vestiu-se de flores
E encontrou o caminho do meu corpo [perdido no teu]

Com olhar de estrelas no meu céu
Beijou os meu olhos e cantou para mim
Sem pressa, sem sapatos, sem hora para ir embora

[Meu bem querer sagrado em mim]

Me amou assim
Com beijo de chuva
e toque de cetim

Devorou meus extraviados sonhos
Em gotas de calmo orvalho
Com toques sem sentir
[te sinto em mim]
Em noites sem fim como dias assim

Ro Fontana
 
 Um Pecado [Poema]

QUANDO EU ME FOR EMBORA

 
QUANDO EU ME FOR EMBORA

Quando eu me for embora, levarei comigo

a madrugada e de meu pai, suas mãos rudes,

com que moldava, a golpes incisivos,um tronco
frágil

insubmisso, sempre em sentido vertical.

De minha mãe, não esqueço, a ternura que mandava, disfarçada,

por entre o pão suado e a manteiga. Assim cresci.

Quando eu me for embora, também não esquecerei, os luares

que percorri, envolto em ti, sem precisar de

leito. Assim cresci.

Mais tarde, pouco mais, hei-de lembrar-me daquilo que não fiz.

Mas quando eu me for embora, é porque morri, cá dentro,

por não saber cuidar de ti, amor-perfeito.

arfemo
 
QUANDO EU ME FOR EMBORA

O vento sopra como uma trovoada 👒

 
O vento sopra como uma trovoada 👒
 
 
O vento sopra
E chega de repente
Como uma trovoada
Nada pode prendê-la
Nada pode impedi-la
Nada pode sufocá-la
A minha alma
É como uma casa assombrada
Com paredes desbotadas
E lembranças perdidas
A chuva foi aumentando
Com a neblina de um nevoeiro
Intenso como o corpo perdido
Que quer refazer as forças
Regando as folhas
E as flores soprando a brisa
E bebendo as minhas culpas
Como veneno
Que seca o meu coração
Escrevendo as minhas cartas
O meu começo o meu caminho
Do silêncio desta noite e desta trovoada.

👒

👒🍂🌻
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
O vento sopra como uma trovoada 👒