https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Papel Almaço

 
Tenaz era o elo que unia... Forte laço.
Parecia de uma dureza sem defeito.
Parecia que era forjado em puro aço.
Parecia que de laço de aço era feito...

Um poema deveria ter pernas e braços,
Olhos caprichosos e afiados ouvidos
Para que além de lido, fosse sentido:
Poema-filho, poema-folha, poema-palhaço...

Não me reprima pelo que digo e faço.
Sou uma mescla de feitiço e poesia.
A rede que teço de dia, de noite desfaço.
Penélope e Peri na Ilha da Fantasia.

Rasuro meu futuro em papel almaço.
Rasgo minha pele na busca perfeita
Da escrita favorita por mim eleita:
Liberta, liquefeita onde me liquefaço.

Perceba em meu dedos o inchaço.
É a persistência virulenta e ferina
Que acomete, arrebata e me domina
Deixando-me lento e um tanto... Lasso!


Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
227
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 03/07/2018 12:31  Atualizado: 03/07/2018 15:05
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: Papel Almaço P/Gyl
Abraço com um laço Vó

Bom poema, muito bem mesclado
de mitologia, Penélope a paciente,
e a musicalidade de Um morda a língua
de Péri aquele músico excelente…
mas o grande poeta é mesmo assim
amargo um dia, noutro, todo alegria
e não há papel almaço que se liquefaça
ou apague a sua nobre e rica poesia!