https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

,guarda o que a minha vista já não alcança

 
.
.
.
.
.
.
.
.
...........................................
********************************************

(I)

,do deserto [… que seja do deserto]

são construídas colmeias em árvores desnudadas,
abandonadas,

enunciam-se alguns gritos solitários,
por momentos nefastos carregados de tédio,

e revivem as dunas em areais distantes,
invadidas pelo mar,
como o tafetá cobre o corpo da bailarina, o ventre.

(II)

,revivo-me a cada rota desconhecida,

construo nuvens sós, breves,
pelas clareiras do céu,
no peito murmúrios, no peito miçangas de flores

um dia colhidas, um dia arrancadas pela raiz.

,um dia ermos distantes, desabitados,

que penetram sem perdões por este mar revolto.

,e vejo aléns,
,e vejo redemoinhos estranhos,

,e vejo esconderijos descobertos.

(III)

,vejo-te?

ruirá o inverno que se aproxima
ao pavor dos ventos, ao pavor dos aluviões,

guarda-me o mel,
,guarda o que a minha vista já não alcança.




"Forfante de incha e de maninconia,
gualdido parafusa testaçudo.
Mas trefo e sengo nos vindima tudo
focinho rechaçando e galasia.
Anadiómena Afrodite? Não:"

("Afrodite? Não" Jorge de Sena)





"Cai a floresta, majestosa e triste,
Sob as foices do tempo; os monumentos
Ruem do inverno aos pavorosos ventos"
(Luís Guimarães Júnior 1847-1898 "Sonetos e rimas")



Textos de Francisco Duarte
 
Autor
F.Duarte
Autor
 
Texto
Data
Leituras
698
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 13/12/2012 20:18  Atualizado: 13/12/2012 20:18
 Re: ,guarda o que a minha vista já não alcança
Mais um belo poema Duarte decifrando assim um "pedaço" do que pode ser a mente poética nos mais diversos momentos decadentes da vida:

"são construídas colmeias em árvores desnudadas,
abandonadas,

enunciam-se alguns gritos solitários,
por momentos nefastos carregados de tédio,"

A terceira parte "(III)" "tá um must" e vale a pena voltar a ler pela força lá contida.
Quis entender assim o teu cantar.

Gosto sempre de te ler.
abraços
maria