https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Conduzindo Desalentos

 
Tags:  soneto    conduzindo desalentos  
 
Open in new window












CONDUZINDO DESALENTOS

Dizem, os corações ainda empedernidos,
Certo serei ao esquecimento destinado
Pelo prisioneiro extremo dos sentidos;
Pelo vulto insanamente emocionado

Que sou! De espírito e corpo estremecidos
Perto dos arcanos celestes alçado
Se acorrer ao cérebro assim, espargidos
O ressoar das rimas num coro poetado...

Ah! Vós, malsinadas línguas tão falantes,
Sorvereis o fel das ditas infamantes...
Leve parecerão os féretros nojentos,

Serventes à morte das palavras vossas,
Enterradas, jamais ressuscitem nossas,
Como zumbis conduzindo desalentos.


Álvaro Silva

 
Autor
Álvaro
Autor
 
Texto
Data
Leituras
685
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
19 pontos
7
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Semente
Publicado: 02/02/2015 22:59  Atualizado: 02/02/2015 22:59
Colaborador
Usuário desde: 29/08/2009
Localidade: Ribeirão Preto SP Brasil
Mensagens: 8696
 Re: Conduzindo Desalentos
Magnífico soneto, que eu diria, transcender à matéria bruta, e adentrar dimensões da alma. Que agita os redutos das nossas misérias e nos clareia pra meditar. Bravos, Alvaro, me provocou emoções. Gosto quando um texto me sacode. O teu , sacudiu.

Beijinhos!


Enviado por Tópico
RicardoC
Publicado: 06/02/2015 13:54  Atualizado: 06/02/2015 13:55
Colaborador
Usuário desde: 29/01/2015
Localidade: Betim - Minas Gerais - Brasil
Mensagens: 3744
 Re: Conduzindo Desalentos
Siga o seu caminho a despeito das vozes em contrário na fé de que o mundo precisa de sua poesia para ser um lugar um pouco melhor. A imagem me parece correta: os insensíveis às artes soem antes zumbis que homens e isso não mero pedantismo intelectualoide não! De facto, tentar iluminar as palavras do idioma com ideias e sentimentos é servir à vida.

Busque, entretanto, não se ressentir de toda essa incompreensão que sua arte suscita, ao invés, faça de sua poesia uma ponte para comunicar, não um muro para dividir.

Um abraço, Ricardo Cunha.


Enviado por Tópico
MarcusRios
Publicado: 18/02/2015 11:55  Atualizado: 18/02/2015 11:55
Colaborador
Usuário desde: 03/08/2014
Localidade: Iúna - Espírito Santo
Mensagens: 1220
 Re: Conduzindo Desalentos
Nunca deixei que o teu coração caia no esquecimento de um amor.
Lindo soneto meu amigo peta.
Aplausos
Comendador Marcus Rios
Poeta Iunense - Acadêmico –
Membro Efetivo da Academia Iunense de Letras (AIL)

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 24/05/2015 15:19  Atualizado: 25/05/2015 13:19
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29136
 Re: Conduzindo Desalentos
Espíritos que se pandeiam vindo das noites, onde ressuscitam as sombras, tocados pelos clarins dos ventos, afoitos, sentidos que vai em uma direção.

maravilha