https://www.poetris.com/
Poemas : 

BOEMIA, EIS-ME AQUI

 



Boemia;
eis-me aqui mais uma vez.
Retornei ao meu reduto,
cansei daquela vida insossa,
perdida, enclausurada, muda
qual uma ostra, sem saber mais
a cor e o som da poesia.

Vestirei o manto da noite breu,
minha alma trôpega e áptera,
engendrar-se-á pelos becos
furtivos, quais me acalmam.

Baterei às portas dos botequins,
beijarei suas bocas de luz
semi-abertas nas madrugadas,
abraçarei minhas antigas parcerias.

Pedirei o aplauso das vagabundas,
ao flanar bêbado entre as mariposas;
“minhas doces butterflies noturnas”
que pousam nas cordas do meu violão.

Este, tão companheiro e tão culpado,
que teima um samba canção dolente,
entoando um chorar enlutado,
enquanto bebo pelo meu irreversível fim.

Os acordes soam dispersos em minh’alma,
promessa de eu esquecer o teu olhar, enfim.
Dei todo meu coração ao vício, embriagado,
pela prematura morte do seu amor por mim.




 
Autor
ZESILVEIRADOBRASIL
 
Texto
Data
Leituras
130
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
8
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 21/03/2019 11:52  Atualizado: 28/03/2019 12:01
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1786
 BOHEMIA ? EIS AQUI ...UMA!
Open in new window






Enviado por Tópico
poemus
Publicado: 22/03/2019 05:08  Atualizado: 22/03/2019 05:08
Da casa!
Usuário desde: 01/05/2018
Localidade:
Mensagens: 362
 Re: BOEMIA, EIS-ME AQUI
quando eu ficava em Cantagalo, numa fazenda da
Votorantim, há uns 25 anos atrás -- um amigo meu, chileno e engenheiro de mineração -- apresentou-me a
original Bohemia (kk) de fabricação artesanal. Aí
a Brahma comprou e desativou a fábrica e manteve a marca. um pouco de história... deixei de tomar a autêntica, que aliás, foi a melhor cerveja que já tomei e
os anos se sucederam... mas a BOEMIA, ainda, não larguei. abraço paulista.