https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

O Ar e o Vento

 
Tags:  mar    vento    natureza    ar    pureza    poluição  
 
O vento que iça a bujarrona,
Procura do ar a pureza perdida
E açoita insurgido a água poluída
Avocando o dever de varrer a tona

Seu lamento uivando na vela afoita
Sustenta por oficio a gaivota branca;
Em solitário revoar alva pena arranca
E lhe dá por alento antes que anoita

Pranteia ao mar com descuido tanto.
Nele afoga da castidade a esperança
Sem mais da pureza azul reter lembrança...
Vencido enluta a areia pura seu pranto

Forte, impetuoso e quente agita o mar
E empurra nas velas a gente errante
Estranha gente que ainda infante
Semeia a autofagia degradando o ar.

O ar, gáudio ímpar do pulsar perene
No sorriso procriador da natureza
Agora fusco, venal, rarefeito de realeza
Infla a bujarrona com fumo de querosene.

 
Autor
Manito
Autor
 
Texto
Data
Leituras
332
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 12/06/2017 19:10  Atualizado: 12/06/2017 19:11
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1592
 Re: O Ar e o Vento
O vento, assim como a chuva, limpam a atmosfera. A poluição do ar afecta todos.
Claro que quando atinge uma determinada força, é/são extremamente destrutivos.
Forças da natureza.
Eu não desgosto de brisas.
A chuva tocada a vento molha-me mais que qualquer outra...
Que fazer?
Quem anda à chuva, ou sai à rua, molha-se.

Muito bem escrito na forma. A rima impecável, a métrica também.
Assim sim.
Se ainda lermos algo mais nas entrelinhas...
Olhe, trouxe-me ao comentário.

Abraço